Amanhã, dia 31 de outubro, comemoramos o dia das Bruxas, "Halloween", mas no Brasas Foz, comemoramos ontem, dia 29, com nossa primeira festa aberta para alunos e convidados. Foi tudo muito bem, tudo muito bom, tirando o temporal que caiu em Foz após as 10 da noite, temporal pra amedrontar fantasmas e bruxas presentes. Mas numa noite sinistra e repleta de criaturas do submundo, a tormenta só veio acrescentar mais realidade à nossa festa... rs. Raios e trovões, fantasma esvoaçante, um som trepidante, espetos e cachorros fumegantes, doces e bebidas desconcertantes, criaturas dançantes, enfim, tudo um "ante" só!   





Halloween, um "ante" só.


Amanhã, dia 31 de outubro, comemoramos o dia das Bruxas, "Halloween", mas no Brasas Foz, comemoramos ontem, dia 29, com nossa primeira festa aberta para alunos e convidados. Foi tudo muito bem, tudo muito bom, tirando o temporal que caiu em Foz após as 10 da noite, temporal pra amedrontar fantasmas e bruxas presentes. Mas numa noite sinistra e repleta de criaturas do submundo, a tormenta só veio acrescentar mais realidade à nossa festa... rs. Raios e trovões, fantasma esvoaçante, um som trepidante, espetos e cachorros fumegantes, doces e bebidas desconcertantes, criaturas dançantes, enfim, tudo um "ante" só!   





Leia Mais
Outubro 2010.

Faz tempo que não posto. São o trabalho, as eleições, enfim, coisas que tomam o tempo da gente, e o que gosto de fazer, escrever... vai ficando de lado. Mas hoje eu escrevo nem que sejam estas poucas linhas.
Gosto muito de política e tenho me empenhado, com os mecanismos dos quais eu disponho, a internet, pedir votos para pessoas à minha volta, implorar para que minha mãe viaje à Catalão e dê o voto dela ao Serra, para fazer campanha para meu candidato, José Serra.  Ontem participei de um encontro entre Serra e a comunidade evangélica de Foz do Iguaçu no Hotel Carimã. Foi a primeira vez que conferi, ao vivo e a cores, as propostas do meu candidato para os próximos 4 anos. Eu era a única ateia no meio de centenas de crentes, uma ironia. Mas ao que interessa, José Serra respondeu perguntas sobre relações internacionais, em especial com o Iran, que o atual governo fez questão de enaltecer. "Enquanto o mundo se empenha em banir a ameaça nuclear, o atual presidente passa a mão na cabeça de um ditador sanguinário e diz negociar, sem ter mandato da comunidade internacional e faz um papel ridículo, e no dia seguinte, o mesmo ditador confirma que "vai continuar enriquecendo urânio sim!" Bom, meu candidato disse não a esse tipo de relação. Perguntas sobre salário mínimo, educação, enfim, seu plano de governo foi exposto e explicado. Num determinado momento, o locutor pediu autorização ao pastor-mor para fazer uma pergunta que vinha das mulheres, esposas dos pastores presentes, sobre o que ele, Serra, faria pelas mulheres brasileiras se eleito. Não foi a resposta do presidenciável que me marcou, mas o fato de pedir-se autorização para fazer essa pergunta, pois ela vinha das mulheres... Desta vez eu gostaria que meu presidente tivesse dado a seguinte resposta: "Primeiramente muito obrigado pela presença dessas belas e corajosas mulheres aqui presentes, mulheres que suportam usar saias longas todo o tempo, em respeito a sei lá o que, não cortar o cabelo, em respeito a sei lá o que, mulheres que baixam a cabeça para seus maridos, mulheres que não questionam, que não têm voz, mulheres que vivem só para suas famílias e não têm uma vida para si..." Bem, meu presidente nunca falaria assim, mas enquanto ele falava de auxilio maternidade, delegacias da mulher, eu viajava na cultura crente e criticava mentalmente seus hábitos e costumes. Eu não seria crente nunca! Não sou uma estudada da cultura, mas não gosto do que vejo. Mas este é um país livre... pelo menos para mulheres como eu. 
Mas voltando ao meu candidato, achei-o muito simpático em pessoa, transmite muita segurança no seu discurso e é uma pessoa muito serena, de fala mansa, pausada. Eloquente. Torço para que Serra seja eleito, mas se não der, dará Aécio em 2014! Com certeza!

Com certeza!

Outubro 2010.

Faz tempo que não posto. São o trabalho, as eleições, enfim, coisas que tomam o tempo da gente, e o que gosto de fazer, escrever... vai ficando de lado. Mas hoje eu escrevo nem que sejam estas poucas linhas.
Gosto muito de política e tenho me empenhado, com os mecanismos dos quais eu disponho, a internet, pedir votos para pessoas à minha volta, implorar para que minha mãe viaje à Catalão e dê o voto dela ao Serra, para fazer campanha para meu candidato, José Serra.  Ontem participei de um encontro entre Serra e a comunidade evangélica de Foz do Iguaçu no Hotel Carimã. Foi a primeira vez que conferi, ao vivo e a cores, as propostas do meu candidato para os próximos 4 anos. Eu era a única ateia no meio de centenas de crentes, uma ironia. Mas ao que interessa, José Serra respondeu perguntas sobre relações internacionais, em especial com o Iran, que o atual governo fez questão de enaltecer. "Enquanto o mundo se empenha em banir a ameaça nuclear, o atual presidente passa a mão na cabeça de um ditador sanguinário e diz negociar, sem ter mandato da comunidade internacional e faz um papel ridículo, e no dia seguinte, o mesmo ditador confirma que "vai continuar enriquecendo urânio sim!" Bom, meu candidato disse não a esse tipo de relação. Perguntas sobre salário mínimo, educação, enfim, seu plano de governo foi exposto e explicado. Num determinado momento, o locutor pediu autorização ao pastor-mor para fazer uma pergunta que vinha das mulheres, esposas dos pastores presentes, sobre o que ele, Serra, faria pelas mulheres brasileiras se eleito. Não foi a resposta do presidenciável que me marcou, mas o fato de pedir-se autorização para fazer essa pergunta, pois ela vinha das mulheres... Desta vez eu gostaria que meu presidente tivesse dado a seguinte resposta: "Primeiramente muito obrigado pela presença dessas belas e corajosas mulheres aqui presentes, mulheres que suportam usar saias longas todo o tempo, em respeito a sei lá o que, não cortar o cabelo, em respeito a sei lá o que, mulheres que baixam a cabeça para seus maridos, mulheres que não questionam, que não têm voz, mulheres que vivem só para suas famílias e não têm uma vida para si..." Bem, meu presidente nunca falaria assim, mas enquanto ele falava de auxilio maternidade, delegacias da mulher, eu viajava na cultura crente e criticava mentalmente seus hábitos e costumes. Eu não seria crente nunca! Não sou uma estudada da cultura, mas não gosto do que vejo. Mas este é um país livre... pelo menos para mulheres como eu. 
Mas voltando ao meu candidato, achei-o muito simpático em pessoa, transmite muita segurança no seu discurso e é uma pessoa muito serena, de fala mansa, pausada. Eloquente. Torço para que Serra seja eleito, mas se não der, dará Aécio em 2014! Com certeza!
Leia Mais
Todos os direitos reservados