Ausência de crença.


Outro dia um amigo me questionou sobre minha falta de crença. Então resolvi desenvolver este texto abaixo sobre o meu ponto de vista.  Ah, e esta foto reflete o meu poder sobre o mundo, do meu ponto de vista, que fique bem claro. Sim, sou eu aí no Salto do Itiquira, Goiás.

Pessoas que crêem dizem que uma vida sem deus é triste e deprimente. Frases como: “Não consigo imaginar minha vida sem deus” ou “Minha vida não tem sentido sem deus”  são comuns na vida de pessoas que acreditam em um deus.
Já ateus podem tomar decisões baseadas num contexto específico. Ateus podem fazer o que é bom para a humanidade sem serem forçados a fazerem algo sob a perspectiva do que é certo para deus.
Ficamos indignados com a perda de um amigo em um acidente ou de uma doença incurável, não é parte de nenhum plano de deus, e sim um fato que faz parte da vida, e tentamos aprender com o ocorrido, e não simplesmente associamos o fato aos planos divinos.
Usamos a ciência para entender catástrofes naturais, como furacões, tsunamis, enchentes, isso nos dá a capacidade para salvar vidas. Não nos perguntamos se deus está nos punindo.
Sim, há causa e efeito, e nossas ações afetam nosso modo de vida, nosso dia-a-dia. Se temos uma má alimentação, vamos ficar gordos e doentes, e se uma parte de um avião cai sobre nossa casa, é um acidente, se você encontrar uma nota de cem reais, é puro acidente, não há nenhuma intervenção mágica, é apenas um acidente.
Há o elemento da chance na vida, pode não ser nada reconfortante, mas se perdemos a pessoa amada num acidente de carro, não é melhor pensarmos que foi pura falta de sorte do que pensarmos que um ser onipotente poderia ter intervido e salvado a pessoa amada? Não, mas um deus decidiu que aquela era a hora da pessoa  amada morrer. Não há motivo de frustração do tipo: será que eu não rezei o suficiente? Deus está bravo comigo? Sabemos que não há plano. Há fatos que ocorrem na vida, fatos bons e ruins.
Podemos ser amigos de qualquer pessoa sem achar que esta ou aquela pessoa é má por ter esta ou aquela religião, esta ou aquela crença ou escolha sexual. Para ateus não existe o pecado. Existe, sim, escolha de estilo de vida e suas consequências. Não acreditamos que vamos para o inferno por sermos nós mesmos.
Pensamos por nós mesmos e encorajamos as pessoas a fazerem o mesmo, terem as próprias escolhas. Não acreditamos em inferno. Crentes adoram pensar em céu, paraiso e morrem de medo de irem para o inferno. Para esse medo do inferno acabar, é preciso deixar de acreditar nesta idéia falsa de céu.
Criamos nossos filhos livres, sem impor-lhes nenhuma religião, mas sim, os deixamos livres para escolherem esta ou aquela religião, ou nenhuma. Ensinamos sobre todas, mas eles são livres para escolherem. Não forçamos o ateismo em nossas crianças. Mostramos as evidências a favor e contra a religião e deixamos que eles façam suas escolhas. Liberdade de pensamento e opinião faz parte do ateísmo.
Fazemos boas ações não porque nos é imposto como nas religiões, mas porque surge livremente de nossa boa vontade. Não fazemos boas ações para tentarmos agradar a um deus, mas porque queremos. Não damos dinheiro para igrejas, mas sim, para instituições de ajuda. Para as igrejas o dinheiro é claramente desviado, como está claro, tendo em vista a riqueza que as mesmas ostentam.
O perdão não nos é imposto por um deus, mas algo que fazemos de vontade própria. Entendemos as limitações das pessoas e compreendemos que seres humanos são imperfeitos. Somos capazes de perdoar sem precisar de um deus nos dizendo para fazê-lo.
Um casamento é muito mais saudável quando se compreende um ao outro, sem precisar buscar respostas num ser que não existe.
Acreditamos que o desconhecido ainda é desconheciso e que a ciência está caminhando para novas descobertas todos os dias. Não buscamos o criador do universo, o deus todo poderoso que criou o mundo. Isso é algo ainda desconhecido. E aceitamos isso. Sabemos que o universo é cheio de falhas, mas por quê temos que preencher essas falhas com um ser mágico, onipotente, onipresente, oniciente? Por que um deus é mais fácil de acreditar do que o fato de acreditar que não sabemos? Simplesmente não sabemos! Estamos descobrindo mais todos os dias.
Sabemos que o pecado não existe e que podemos fazer todas as coisas naturais da vida sem achar que é pecado. Obviamente que não falamos de crimes. Podemos ser nós mesmos, não precisamos fingir, podemos fazer todo o sexo selvagem que desejarmos, e que é natural do ser humano. Não é pecado.
Podemos pensar, pesquisar, ter autonomia sobre nossos atos sem sermos julgados por outras pessoas ou por deus. Podemos estudar ciência sem termos que fazer um paralelo com  crenças religiosas. Sabemos que não é errado mudar de idéia, a ciência está sempe mudando com novas idéias e descobertas. Não há dogmas na ciência. Se somos corrigidos, não nos aborrecemos, significa que o conhecimento está em plena evolução.
Queremos respostas para nossas perguntas e não temos vergonha de buscar essas respostas.
Não usamos deus como uma desculpa para a violência. Se alguem faz algo de ruim, é ruim, não importa a sua crença. Não cometemos atrocidades para agradar um ser imaginário.
Nós não precisamos ser perdoados por nascer. Não somos frutos do pecado. Pessoas são boas ou más, baseadas nas suas ações. As ações são mais importantes do que as crenças. Procuramos soluções a partir de nós mesmos. Não ficamos pedindo a um deus que nos ajude nisto ou naquilo, nós mudamos nossas ações em relação ao fato. Não ficamos rezando esperando um milagre, agimos. Tomamos controle da situação. Quando algo é fora de nosso controle, aceitamos. “Rezar é fazer nada e ainda assim achar que está ajudando”.
Para as mulheres, é ser livre, é deixar de acreditar que somos cidadãs de segunda classe. É deixar de acreditar que o mundo foi criado por um homem e para o homem. O mundo é de todos os seres.

  

Sem Comentários

Deixe o primeiro comentário

Todos os direitos reservados