Buenos Aires.

Fevereiro 2011.
Bom dia, Blog!

Mais uma viagem, agora estamos na Capital do Tango, Buenos Aires.
Gilmar e eu saímos de Foz numa quinta feira, véspera de carnaval. Pois é, trocamos o Samba pelo Tango.
Nos aventuramos pelas estradas argentinas num "Coche Cama" da Crucero del Norte. Pois olha, muito bom, com direito a jantar regado a champanhe, whisky, refrigerantes, e, ao nascer do sol, um café da manhã razoável. Digo razoável porque não tinha as minhas favoritas media lunas.
Saímos de Foz ao meio dia e chegamos à Buenos Aires às 7:30 da manhã do dia seguinte. No Coche Cama conhecemos brasileiros, suíços, dinamarqueses e alguns argentinos. Falamos muito inglês à bordo, rs...
Pegamos um taxi até o hotel "La Perla". Um bom hotel localizado no bairro Balvanera. Neste hotel, que possui uma cafeteria muito boa, é o marco do surgimento de uma banda de rock argentina famosa por aqui. Achei a região um pouco suja, aliás, Buenos Aires está pecando pela sujeira das ruas. Muito jornal, garrafas de plástico, dentre outros detritos jogados por toda cidade. O Hotel estava  lotado de brasileiros, aliás, como toda a cidade!
Descansamos um pouco e seguimos a nos aventurar pela Capital do Tango.
Nos locomovemos de metro durante toda nossa estada. Caminhamos muito também. No nosso primeiro passeio, o metrô nos levou à Plaza de Mayo. Fotos em frente a Casa Rosada, sede da presidência da República Argentina e um tour por seus aposentos. A Casa possui fama internacional por ter sido palco de importantes manifestações artísticas e políticas. "Evita"e "A História Oficial" foram gravadas na Plaza de Mayo e nas sacadas do palácio. A cor rosada é atribuída ao fato de na época de sua construção as tintas mais baratas serem feitas a base de sangue de vaca, tendo sua cor rosada. Uma curiosidade, a Casa Rosada é pintada de amarelo por dentro.





Esta última foto foi tirada da mesma sacada de onde Evita Peron fez sua ultima aparição, já doente, e disse suas famosas palavras: "não chores por mim, Argentina..."antes de sua morte.
Seguimos para Puerto Madero depois da visita à Casa de Cristina Kirchner. Puerto Madero é um bairro nobre da cidade de Buenos Aires, muito moderno e centro financeiro da mesma. É um dos projetos de renovação urbana mais bem sucedidos do mundo. Abriga os maiores arranha céus argentinos, além de diversos monumentos, como a Puente de la Mujer, do arquiteto espanhol Santiago Calatrava e a Fragata Presidente Sarmiento, o primeiro navio da Argentina que atualmente é utilizado como museu.
Em Puerto Madero também está o Iate Clube e vários restaurantes. Abriga três hotéis cinco estrelas e é muito visitado por turistas por suas extensas áreas verdes dedicadas ao lazer.
Sorvete de frutas vermelhas e de chocolate são algumas delícias da famosa sorveteria Freddo, que está por toda Buenos Aires.  
No mesmo dia seguimos para a famosa Calle Florida, uma das ruas de Buenos Aires de maior movimentação de turistas, principalmente brasileiros. É uma peatonal, isto é, uma rua só para pedestres. Ao longo da peatonal há várias lojas, várias barraquinhas a lá Paraguai, restaurantes e um belo Shopping Center, o Galerias Pacífico.



Fechamos o dia com uma bela música clássica, executada por uma orquestra ao ar livre na Calle Florida. 
Ao retornarmos ao hotel, passamos novamente pela Plaza De Mayo e tivemos a bela visão da Casa Rosada à noite. Confira.
Nosso segundo dia foi marcado pelo Buenos Aires Open Tour.
Um passeio em um ônibus aberto pelos principais pontos turísticos da cidade do tango. 
No "Circuito Sur " visitamos a Av. Nove de Julio, a principal avenida da cidade. Construída em 1912 e concluída em 1930, recebeu este nome em homenagem à Declaração da Independência da Argentina em 9 de Julho de 1816. Alguns anos mais tarde, foi inaugurado o Obelisco de Buenos Aires.
Passamos pelo Teatro Colón, que em português significa Teatro Colombo, uma das mais importantes salas de espetáculos de Buenos Aires. É um dos teatros de ópera mais famosos do mundo. Tem capacidade para 3000 pessoas e sua arquitetura mescla o neo-renascentismo italiano e o barroco francês. Em 1989 se tornou um dos monumentos históricos nacionais.


A Catedral Metropolitana está na Plaza de Mayo e  mistura estilos arquitetônicos. No seu interior se localiza o túmulo de José de San Martin, um general argentino e o primeiro líder da parte sul da América do Sul que obteve sucesso no seu esforço para a independência da Espanha, tendo participado ativamente dos processos de independência da Argentina, Chile e Peru.
                                                







 Dalí seguimos para o famoso bairro La Boca
O Bairro possui duas grandes atrações: o estádio do Boca Juniors (La Bombonera), time com a maior torcida argentina e conhecido por serem absurdamente fanáticos por futebol, e o Caminito, com uma característica peculiar: suas casas são construídas com tábuas de madeira, placas e telhas de metal e pintados com muitas cores. É uma rua museu tão tradicional quanto imperdível, que fascina pela magia das cores e do tango. Há vários artistas expondo suas pinturas ao longo do pequeno caminho, pinturas que retratam o cotidiano do bairro.
"Circuito Norte": Iniciamos pela Plaza San Martin em direção ao Bairro da Recoleta. É considerado um bairro nobre da cidade. Lá está localizado o cemitério em que estão sepultadas diversas personalidades argentinas, com destaque para Evita Perón. Visitamos, também, o Centro Cultural Recoleta, o Museu Nacional de Belas Artes, ao meu ver o ponto alto da viagem, com um dos mais importantes acervos da América Latina. Sua coleção permanente abriga obras de Picasso, Goya, Monet, Renoir, Rodin, Cézanne, além de obras de importantes artistas argentinos.

Assistimos a muito tango também!
Um destaque especial para o Parque das Nações Unidas, onde a "Floralis Genérica", uma flor de aço inoxidável com 23 metros de altura com enormes pétalas, de 18 toneladas cada, se abre e fecha, dependendo da hora do dia e noite, processo devido a um mecanismo elétrico movido a energia solar. 

A Faculdade de Direito de Buenos Aires, localizada bem próxima ao parque da bela flor também possui uma arquitetura deslumbrante.

Seguimos para Palermo, um dos bairros mais turísticos da cidade devido aos Bosques de Palermo, cafés, restaurantes, discotecas e o Zoológico de Buenos Aires.
Palermo possui diversos setores, como Palermo Chico, onde vive parte da classe-alta Portenha, Palermo Viejo, parte antiga do bairro, onde viveu Che Guevara, Palermo Soho, que abriga lojas de moda e design, Palermo Hollywood, onde várias produtoras de Tv estão instaladas, dentre outras "Sub-Palermos".




Pelos bosque de Palermo, você se depara com belas esculturas a todo momento

Este é o "Monumento a los Enpañoles", um presente do governo da Espanha por ocasião do centenário da independência da nação argentina.

"Circuito Portenho". Aqui visitamos vários pontos turísticos da cidade. O Porto de Buenos Aires, Casa de Moneda, Club Atlético River Plate, Museo Sarmiento, Plaza Belgrano, o Hipódromo, dentre outros lugares.

Após um longo dia de passeios, retornamos ao hotel de metrô. Era noite de show da Shakira, mas decidimos não ir pelo fato de não conhecermos nenhuma música da cantora colombiana, rs...
No terceiro dia, descansamos no hotel na parte da manhã e seguimos como típicos turistas pelas ruas portenhas até o "Congreso Nacional", sede do Poder Legislativo Nacional, construído em 1906.

Seguimos de volta à Plaza de Mayo, onde passamos parte da tarde pela Calle Florida.
Decidimos assistir ao Musical "Chicago", o premiado show da Broadway, em Buenos Aires desde novembro no teatro Lola Membrives. Memorável!
Mas antes, nada como um bom descanso na praça depois de um longo dia de caminhadas.


Nosso quarto e último dia na Capital Federal foi tranquilo. Decidimos voltar à Puerto Madero para almoçar e curtir a paisagem. Caminhamos até San Telmo, o bairro conhecido por sua boemia, antiquários e famosos cafés. 


Voltamos ao hotel, nos organizamos e seguimos em direção ao Retiro, estação rodoviária, para nossa volta à Foz do Iguaçu no mesmo estilo "Coche Cama" da ida. 
Foi uma viagem excelente. Já tínhamos estado em Buenos Aires há muitos anos, e retornar foi muito bom. 
Um conselho aos amigos que pretendem fazer essa viagem. Se for de avião, ótimo, como fomos da primeira vez, mas se resolverem ir de "coche cama", sugiro pegar o ônibus do lado argentino, para evitar o stress das duas aduanas, a brasileira e a argentina, na ida e na volta. Passar o casal é tranquilo, mas passar com uma turma de 40 passageiros, é...
Bom, conhecendo a morosidade da aduana argentina, tire suas conclusões. Eu não faço de novo, rs..


Sem Comentários

Deixe o primeiro comentário

Todos os direitos reservados